O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, pode ter se tornado tornado réu no caso que ficou conhecido como o escândalo das candidatas ‘laranjas’ do PSL em Minas Gerais, envolvendo fraudes no uso do dinheiro público durante as eleições de 2018.

Ao despachar sobre a denúncia contra o ministro nesta segunda-feira (07), o juiz eleitoral Flavio Catapani, da 26ª Zona Eleitoral (Belo Horizonte), decidiu decretar o sigilo do processo. Não informou se a denúncia do Ministério Público foi aceita (tornando o ministro réu) ou rejeitada.

A operação para tentar ‘salvar’ o pacote anticrime de Sergio Moro
Faculdade no Rio, emprego em Brasília: o cargo na Câmara que Eduardo Bolsonaro ganhou aos 18 anos e não lembra
A denúncia contra Antônio foi apresentada pelo promotor de Justiça Eleitoral Fernando Abreu na sexta-feira (4/10). Abreu acusa o ministro e mais 10 pessoas de terem cometido os crimes de falsidade ideológica, apropriação indébita eleitoral e associação criminosa.

Para o Ministério Público, o atual titular do Turismo comandou uma estrutura criada para desviar dinheiro do Fundo Eleitoral em 2018. Marcelo Álvaro Antônio foi indiciado pela Polícia Federal neste caso também no fim da semana passada — isto é, ao fim das investigações, a PF concluiu que há indícios de que o ministro cometeu crimes.

O ministro nega irregularidades, e diz que o simples fato de ser o presidente do PSL em Minas Gerais na época da eleição não significa que ele tenha envolvimento com o caso.

Fonte BBC News

pt Portuguese
X